A partidocracia

Cada vez que se aproxima um acto eleitoral, fico com a minha convicção reforçada de que os partidos estão cada vez mais a falarem para dentro e a obedecerem a lógicas exclusivamente partidárias, relegando para planos completamente secundários os interesses colectivos. Digo isso, com muita pena porque tenho a certeza que o leitor concordará comigo se eu afirmar que a qualidade da nossa democracia, está intimamente ligada à qualidade dos seus actores, onde os partidos assumem uma importância crucial.
Efectivamente e para o mal de todos nós, os dados vem comprovar essa alienação dos partidos aos problemas e anseios das pessoas. Hoje, são cada vez menos as pessoas que se interessam pela política, assumindo sobre ela e os políticos uma percepção negativa. Por outro lado, a participação dos cidadãos nos vários momentos eleitorais tem vindo a atingir valores críticos. A título de exemplo, na semana passada, foram divulgados os números que dão conta que metade dos portugueses não estão interessados nas próximas eleições europeias o que significa, provavelmente, que 5 em cada dez não irão votar. Se contabilizarmos os que disseram que iriam votar mas não o irão fazer, os números tornam-se ainda mais preocupantes e não deixa, no entanto, de se ser estranho que um país e uma região que tanto devem à União Europeia, exista tamanho desinteresse pela União Europeia. Por isso, os políticos deveriam ficar preocupados com esse desinteresse que tende a ser cada vez mais agudo e que mina os alicerces da própria democracia. No entanto, em vez de agirem no sentido de darem um contributo real para contrair essa tendência só reforçam o desinteresse dos cidadãos pela vida política.

A questão é que se os próprios políticos não levam muito a sério a política, dificilmente estão em condições de pedirem que o cidadão comum se interessa pela política. Dois exemplos recentes e que por acaso têm a ver com as eleições europeias em que a escolha das pessoas para fazerem parte da listas em posição elegível, deveria ser um momento que pudesse dar uma ajuda para credibilizar a vida política e partidária, contribuindo para motivar as pessoas a não alienarem a sua participação: no lado do PSD, Duarte Freitas foi anunciado publicamente que continuará no Parlamento Europeu, ocupando um lugar de exigível na lista. Em menos de 24 horas, Duarte Freitas dançou e regressará ao Parlamento Regional. A rotatividade é importante para a qualidade democrática, mas fazê-la de forma primária e obedecendo a lógica de “caças aos de lugares” e mediante critérios exclusivamente partidários e na busca de uma falsa paridade nas listas, é um excelente contributo para aumentar a distância entre os eleitos e os eleitores. Em relação ao PS, Paulo Casaca (que foi considerado o terceiro eurodeputado mais produtivo) entendeu-se que seria o candidato ideal para vir fazer literalmente um passeio nas próximas eleições autárquicas.

Não basta dizer que é preciso mudar ou que as pessoas têm de mostrar interesses em participar. As pessoas estão aí, e o exemplo que veio recentemente dos Estados Unidos, onde foi possível uma participação sem precedentes, diz-nos que a culpa pende para o lado dos políticos. Não basta aderir às redes sociais na Internet para efectuar a mudança no relacionamento entre os governantes e os governados. As pessoas precisam de sentir que as opções que os partidos assumem resultam claramente na defesa do interesse do colectivo e não de meros expedientes partidários. Da minha parte, estou cada vez mais decepcionado com a forma como os partidos e os políticos organizam a conquista do poder e fico convencido que estão a reunir todas as condições para que possam perder a exclusividade na conquista do poder.

Comentários

Aníbal Pires disse…
Caro Paulo,

A tua análise é redutora e parcial e quando assim é o objectivo, que quero acreditar seja o de apelar à participação política, fica prejudicado.

Era bom, não só, avaliar com rigor, o trabalho desenvolvido pelos diferentes deputados portugueses, mas também os diferentes projectos e o conjunto de protagonistas que lhe darão corpo.

Lamento que não consigas ver para além do centrão.

Um abraço,

Aníbal Pires

Mensagens populares deste blogue

Cabo Verde, um percurso de esperança

Slow Ferry e o enguiço do Estado

Fine coliving in the Azores