Queijo suiço

Na primeira edição do Panazorean – Festival Internacional de Cinema sobre Migrações e Diálogo Intercultural –, organizado pela AIPA, exibimos um dos filmes mais polémicos sobre as migrações chamado “Voo especial”. Tivemos a oportunidade, graças ao apoio da embaixada da suíça, de ter a presença do realizador - Fernand Melgar - que durante a intervenção de apresentação do filme disse que o drama que o seu documentário retrata é o resultado “de uma vontade popular”. Por outras palavras, o centro de detenção e as atrocidades cometidas contra os mais elementares Direitos Humanos resultam de uma opção do povo suíço, sendo que o governo não mais fez do que materializá-la. O filme acompanha o quotidiano de imigrantes indocumentados detidos na prisão de Frambois, na região de Genebra, aguardando uma decisão judicial imprevisível, que tanto os pode libertar para retomar a sua vida normal como levar a um repatriamento forçado para os seus países de origem - cujo pior grau consiste num polémico “voo especial” que os trata como criminosos perigosos e já levou à morte de prisioneiros. Já agora quem quiser seguir o destino dos imigrantes repatriados da Suíça pode aceder ao site filmewww.volspecial.ch, onde através de um Web-documentário pode ver as tremendas injustiças que se cometem. Lembrei-me deste filme, a propósito da aprovação dos suíços (50,3%) do referendo que põem em causa a livre circulação dos cidadãos da União Europeia para a Suíça e da imposição de uma quota para a imigração. Na verdade, esta opção dos suíços não me espantou, pois se seguirmos com atenção o crescimento de um clima anti-imigração no país, do fortalecimento da extrema-direita, percebemos que era previsível este resultado que acarreta, a meu ver, um sério aviso aos líderes europeus por dois motivos: O primeiro é que a extrema-direita ganhou, com esta vitória do referendo na Suíça, mais combustível para as próximas eleições europeias, aumentando, por consequência, a sua margem de manobra junto dos eleitores. Isso significa que estamos na eminência de ter ¼ do Parlamento Europeu constituído por indivíduos e forças partidárias que acreditam e fomentam lógicas sociais que contrariam os mais elementares Direitos Humanos e que atacam um dos pilares essenciais da União Europeia (a livre circulação de pessoas). O segundo motivo alicerça-se na atual crise económica e social que tem afetado muitos países europeus e que as lideranças europeias não têm conseguido contrariar. Infelizmente, na prática, a lógica das parcerias funciona num contexto de um razoável equilíbrio entre os envolvidos. A partir do momento que se gera um forte desequilíbrio, o parceiro que está em melhores condições tenta roer a corda e, basicamente, foi isso que a Suíça fez. Alguns exemplos de desequilíbrios: o desemprego, em muitos países europeus situa-se acima dos 15%; na suíça o desemprego ronda os 3% - 3,4% para o conjunto da população e 2% para os suíços de origem –. Desde 2002, que os salários cresceram em média 0,6%, sendo que a economia suíça nunca parou de crescer acima da média europeia. Mas, vale a pena ver esta questão com muita frieza, no sentido de perceber como poderemos contrariar esta tendência suicida de ver os imigrantes ou, se quisermos, “ os outros” como a fonte de todos os problemas. O irónico disso é que ser imigrante não quer dizer que a pessoa fica automaticamente apta a defender o interesse de outros migrantes. Aliás, um emigrante português na Suíça admitiu que votou a favor do referendo porque entende que o país não pode acolher mais imigrantes. Este episódio remete-nos para uma outra dimensão do problema que perpassa a nossa condição de imigrante ou não. A questão que nós temos pela frente tem a ver com o modelo de sociedade que queremos viver: uma sociedade onde todos nós temos a liberdade de circular e viver, sem que isso coloque em causa os nossos direitos como cidadãos ou uma sociedade fechada sobre si própria, isto é, como um queijo suíço?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabo Verde, um percurso de esperança

Slow Ferry e o enguiço do Estado

Fine coliving in the Azores