Espelho 2

O recuo ao passado faz-nos temer o pior em tempo de abrandamento económico e da diminuição da capacidade de a economia gerar emprego para a maioria das pessoas. Quando acontece, a primeira coisa que fazemos é olhar para os outros. Aquilo que se passou na Inglaterra, em que os ingleses reivindicaram postos de trabalho para os ingleses pressionando uma empresa a não aceitar trabalhadores portugueses, é um comportamento absolutamente ridículo e xenófobo. Isso não quer dizer, todavia, que algo semelhante não poderá vir a acontecer noutras paragens, inclusive, em Portugal.
Todos nós já sabemos para que lado a corda arrebenta numa situação de tensão social. Cabe aos responsáveis, nomeadamente, os que têm responsabilidades política, uma pedagogia pró-activa e eficiente no sentido de que todos nós somos necessários para ultrapassar este mau momento económico. Pessoalmente, tenho receio de que, em época de alguma tensão, possam aparecer os tais salvadores que, a partir de diagnósticos fáceis e populistas, conseguem apresentar soluções na exacta proporção demagógica dos diagnósticos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabo Verde, um percurso de esperança

Slow Ferry e o enguiço do Estado

Fine coliving in the Azores