Os parlamentares

1. A Assembleia da República lançou há tempos um projecto na internet que se chama Parlamento Global, em que um dos objectivos é contribuir para quebrar a angustiante distância entre os eleitos e os eleitores. No outro dia, para matar a curiosidade, fui navegar no tal Parlamento Global e tive duas sensações: a primeira é que o projecto é muito interessante e sempre permiti conhecer, de forma rápida e simples, as pessoas em quem depositamos a nossa confiança para nos representar e defender os nossos interesses; a segunda sensação é que dos 230 deputados que constituem a Assembleia da República a maior parte nunca os tinha visto, o que equivale afirmar que uma parte dos deputados não têm uma participação activa no Parlamento ou se a tem, fazem-na de forma muito discreta. De qualquer forma e como os deputados regionais foram empossados hoje deixava aqui alguns apelos que povoam o imaginário dos cidadãos comum. O primeiro apelo é que fizessem um esforço no sentido de ter na região um projecto semelhante ao Parlamento Global, já que uma iniciativa desta natureza fomenta uma maior aproximação com os eleitores. O segundo apelo é que fizessem um esforço para auscultarem, no terreno, as pessoas e os seus problemas e que não o façam, exclusivamente, nos momentos eleitorais. O terceiro apelo é que tentem intervir com regularidade no Parlamento Regional, contrariando a ideia que muitas pessoas têm de que muitos deputados estão lá só para encherem chouriço. Escusado será de referir que esta percepção prejudica os que realmente trabalham no parlamento. Por último, que não fiquem a ler o jornal ou a mandar piadinhas enquanto um colega do parlamento está intervir. Fica muito feio e o parlamento deve dar o exemplo. No entanto, julgo ainda que do lado dos eleitores e da própria comunicação social deve ser reforçada a vigilância em torno do trabalho que é desenvolvido pelos deputados, de forma a distinguir os que realmente trabalham. Temos, nesta Legislatura, um Parlamento mais plural e existem todas as condições para um trabalho parlamentar que orgulhe a democracia açoriana.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cabo Verde, um percurso de esperança

Slow Ferry e o enguiço do Estado

A lei dos mais fortes...Conhecem um tal Abreu Freire?