O engraxador e a Clinton

O nome dele é Zé Preto mas no seu bilhete de identidade pode ler-se: José Maria dos Santos, residente em Ponta d’ Agua, um dos muitos bairros do arquipélago cabo-verdiano que está a receber a partir de hoje e até amanhã, pela primeira vez, na história do arquipélago a visita oficial de um alto dirigente dos Estados Unidos, como é o caso do Clinton, Hillary Clinton…entenda-se. Zé Preto é engraxador de profissão há mais de 40 anos. Acho que o Zé tem perto de 60 anos e é de conversa fácil e o homem tem opinião sobre tudo e mais alguma coisa. Se calhar é defeito de profissão. Com a sua caixa azul e dezenas de graxas de variadíssimas cores, Zé Preto tem o vício de jogar ao totoloto e foi por causa disso que nos tornamos amigos. Já lá vão mais de 15 anos. Quando eu ia para casa, depois das aulas, tinha de passar obrigatoriamente pelo centro da Praça e um dia ele viu-me passar e pediu-me que lhe ajudasse a preencher o boletim de jogo. O Zé Preto não sabe escrever. Ele só sinaliza, com as respectivas cruzes, os números e a minha tarefa é escreve-los num género de recibo que fica com o apostador, bem como o nome e a morada. O Zé Preto telefonou-me no outro dia e quando me apercebi que era ele fiquei muito preocupado, pois era a primeira vez que falava com ele, desde que estou fora de Cabo Verde, ou seja, há quase 12 anos. A razão é simples: Ele soube que este verão eu não ia a Cabo Verde passar férias e como precisa de graxas transparentes com alguma urgência, telefonou-me para perguntar se tinha forma de as fazer chegar. No meio desse telefonema relâmpago e altamente objectivo, perguntou-me se já sabia que a mulher do Bill Clinton estaria de visita a Cabo Verde. Nem me deu tempo para responder e antes de desligar com um “ nho fica dretu” confidenciou-me que acha essa visita muito importante para Cabo Verde. No entanto, a Hillary Clinton irá ficar somente na Ilha do Sal, depois de um périplo junto de 7 países africanos. Cabo Verde foi escolhido como reconhecimento pela forma como tem conduzido o desenvolvimento, aliado à vivência democrática. É sempre bom ter essa distinção. Mesmo que essa visita tenha outros objectivos, nomeadamente, o reabastecimento do avião, como alguma imprensa portuguesa tem referido.

Comentários

Amílcar Tavares disse…
Caro amigo,

Espero que o Ocidente passe a distinguir o mérito, prestando mais atenção aos casos de sucesso, em detrimento da fracassada atitude até hoje tomada e sobejamente conhecida.

Um grande abraço!

Mensagens populares deste blogue

Cabo Verde, um percurso de esperança

Slow Ferry e o enguiço do Estado

A lei dos mais fortes...Conhecem um tal Abreu Freire?